Resultado de Perícia de criança que não resistiu após ganhar um pirulito no RJ é de cortar o coração

A estudante Lorrana Madalena da Luz Manoel, de 14 anos, acabou falecendo na UPA Jardim Íris, na grande  São João de Meriti, no Rio de Janeiro.

Tudo aconteceu  na última quarta-feira, dia 23 de outubro, quando a garota sofreu um ataque cardíaco. De acordo com a investigação, a estudante teria sido envenenada após ganhar um pirulito de um desconhecido no trem.

De acordo com o laudo médico e a perícia, foram encontrados alguns componentes de carbamato ou como e conhecido, chumbinho, no estômago da garota.

Lorrana foi levada para o hospital apresentando sintomas de intoxicação apos ganhar comer o doce. Os médicos fizeram uma lavagem estomacal, e encontraram alguns fragmentos do veneno.

Na manhã da última sexta-feira, dia 25, o delegado Dr. Vinicius Ferreira Domingos que está responsável pela investigação no caso do óbito da pequena Lorrana, encaminhou uma nova amostra recolhidos de sanduíches e molhos da barraquinha da família da jovem, para descobrir se não foi algum tipo de substancia que caiu nos lanches .

Nesta manhã de sábado, dia 26, a policia esperaram pela presença de uma amiga na delegacia,  para dar o seu depoimento o qual servirá para  ajudar nas investigações.

O corpo da jovem chegou ao Cemitério Tanque do Anil, no bairro Parque Beira-Mar, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, por voltas das 11h15.

Alguns parentes da estudante acabaram passando mal. O sepultamento aconteceu no final da tarde com muito pesar, tristeza e comoção.

Os Policias informaram que não sabem ainda qual foi a quantidade de veneno apresentado no corpo, e que estão precisando de uma nova testemunha para ajudar nas investigações, o laudo médico também será de grande importância para chegar ao culpado.

O pai da adolescente, Luciano da Silva Manoel, de 37 anos de idade, disse que a ficha ainda não tinha caído sobre o que aconteceu com a sua filha, e pediu para que os investigadores achassem o culpado de tirar a vida de Lorrana.

“Queremos uma resposta. Como foi que ela ingeriu e quem deu. Agora, é deixar a polícia trabalhar e desvendar o que realmente aconteceu. Esse é um momento que ninguém quer passar, é uma dor sem tamanho”, disse o pai da vitima.