Motorista de app estupra jovem durante corrida em BH em plena luz do dia

Uma jovem de 20 anos foi vítima de estupro durante uma corrida de aplicativo, na tarde de segunda-feira (21), na região de Venda Nova. O motorista cometeu atos libidinosos mediante a violência e foi bloqueado da plataforma durante a investigação policial.

A corrida começou por volta das 14h15 e, segundo a jovem informou à Polícia Militar, o motorista fez abordagens ofensivas, tais quais se ainda era virgem ou se era casada. Em determinado momento, o homem passou a mão pelo corpo da jovem: seios, perna e próximo às partes íntimas.

Além disso, o homem deu um beijo à força na vítima, que ficou paralisada. Ela informou aos militares que ficou sem reação porque os vidros do veículo eram escuros e as portas estavam trancadas. Logo após deixar a jovem no destino, o motorista ainda afirmou que esperaria o “retorno” dela.

A jovem procurou a polícia e registrou a ocorrência. Procurada, a 99 afirmou que “lamenta profundamente a situação” “Uma equipe foi mobilizada para apurar o caso e está buscando contato com a vítima para oferecer todo o acolhimento e suporte necessários. Enquanto isso, o perfil do motorista foi bloqueado da plataforma”, diz, em trecho de nota (leia na íntegra abaixo).

O homem não foi encontrado pela Polícia Militar e o caso, agora, está a cargo da Polícia Civil.

Crime

O crime de importunação sexual é caracterizado pela realização de ato libidinoso na presença de alguém e sem sua anuência. O caso mais comum é o assédio sofrido por mulheres em meios de transporte coletivo, como ônibus e metrô. Antes, isso era considerado apenas uma contravenção penal, com pena de multa. Agora, quem praticá-lo poderá pegar de 1 a 5 anos de prisão.

Já o crime de estupro é previsto no art. 213, e consiste em “constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, a ter conjunção carnal ou a praticar ou permitir que com ele se pratique outro ato libidinoso”. Mesmo que não exista a conjunção carnal, o criminoso pode ser condenado a uma pena de reclusão de 6 a 10 anos.

Nota da 99 na íntegra:

“A 99 lamenta profundamente a situação. A empresa reitera que repudia esse tipo de violência e tem uma política de tolerância zero em relação a isso. Uma equipe foi mobilizada para apurar o caso e está buscando contato com a vítima para oferecer todo o acolhimento e suporte necessários. Enquanto isso, o perfil do motorista foi bloqueado da plataforma. A 99 está disponível para colaborar com a polícia, caso necessário.

A segurança é prioridade número um para a 99. Por isso, dedicamos nossos esforços na prevenção, proteção e acolhimento de todos os usuários da plataforma, principalmente para as mulheres. Por conta dessa missão, a 99 investe continuamente em tecnologia para garantir que o serviço seja seguro antes, durante e depois das corridas.

Entre as medidas está a instalação de câmeras de segurança dentro dos carros em Belo Horizonte, um botão de segurança que oferece a opção de compartilhar a rota para contatos de confiança, além de poder ligar para a polícia. Além disso, possui uma inteligência artificial que vasculha automaticamente as avaliações das usuárias ao fim das corridas para a identificação dos casos de assédio ou violência sexual. Com essa tecnologia, a empresa pode priorizar esses casos e acolher a vítima de maneira humanizada mais rapidamente, bem como tomar todas as providências possíveis, que pode incluir bloqueio e colaboração com a investigação das autoridades.

Em caso de qualquer ocorrência de segurança, motoristas e passageiros podem ligar para nossa Central de Segurança no 0800-888-8999 que funciona 24 horas por dia e 7 dias por semana. Este é um canal de atendimento exclusivo para casos de segurança, composta por mais de 130 profissionais, que oferece auxílio imediato e informações do que fazer”.