Professor é denunciado por pedir fotos e assediar aluna de 12 anos

“Você quer ouvir besteirinhas, quer? Então me manda fotos, gostosa”, diz o docente em um dos áudios enviados a menina

Um professor de matemática foi denunciado por assédio, após pedir fotos e enviar mensagens de cunho sexual para aluna de 12 anos, em Ariranha, no interior de São Paulo. Ele chegou a enviar áudios para a menina pedindo para ela ser discreta e evitar que ele fosse preso.

Em um dos áudios enviados pelo professor, de 52 anos, o qual o portal ‘G1’ teve acesso, ele pede que a menina não comente nada. “Eu sei meu amorzinho. Mas a gente tem que disfarçar um pouquinho, senão vai dar muita bandeira. Você quer me ver preso, é isso?”.

No mesmo áudio, o docente chega a pedir foto. “Não posso, assim. Eu tenho maior vontade, a gente precisa ter cuidado. Não pode vazar essas informações de jeito nenhum. Mas me manda foto, por favor, e eu quero ver pessoalmente, sim, estou louquinho. Beijos”, afirmou o professor.

Em outra mensagem, o homem  é mais incisivo. “Você quer ouvir besteirinhas, quer? Então me manda fotos, gostosa.”

Os pais da menor procuraram a polícia no último sábado (5) e registraram boletim de ocorrência depois de encontrar no celular da filha diversas mensagens e áudios com conteúdo sexual enviadas pelo professor. A escola anunciou que afastou o suspeito.

“É difícil falar do assunto. Eu passo mal de relembrar. Ele roubou toda inocência da minha filha, que foi criada com todos os princípios cristãos. Não teve ato sexual. Tive conhecimento a tempo. Mas os áudios e as conversas são muito perversos”, afirma a mãe da menina.

A mãe contou ao ‘G1’ que foi até a escola e se reuniu com toda direção, que se comprometeu em tomar as providências cabíveis. “Eu não vou deixar minha filha voltar para escola enquanto souber que o professor não foi afastado ou preso”, afirmou.

Investigação

Um inquérito policial foi aberto após a família da adolescente procurar a Polícia Civil para registrar um boletim de ocorrência contra o homem. “Ainda é muito cedo para concluirmos algo a respeito deste caso. Podem existir outros crimes. Então, tudo será objeto de investigação. Ainda não podemos formar um juízo acerca deste episódio e descobrir o que de fato aconteceu”, afirma o delegado responsável pelo caso, Gilberto César Costa.

A Diretoria Regional de Ensino de Catanduva (SP) informou que o professor foi afastado e que serão “aplicadas penalidades pertinentes se as denúncias forem comprovadas”. O professor não foi preso e não se manifestou sobre o caso.