Pai solteiro faz desabafo pedindo ajuda e gera polêmica: ‘Quero dar meu filho para adoção’

De acordo com a revista online Pais e Filhos, um homem contou, anonimamente em uma rede social que tem um filho de dois anos de idade e está pensando em dá-lo para a adoção.

A repercussão do caso está sendo grande após o desabafo.

“Então, na primavera de 2016 eu descobri que minha namorada estava grávida. Ela queria abortar, mas como um cristão eu senti que era contra as minhas crenças (eu acho que a opção pelo aborto deve existir para pessoas que não acreditam no que eu acredito, mas eu não quis isso para meu filho). Eu estava me formando naquele ano e já tinha um emprego legal. Achei que poderia sustentar meu filho. Eu e minha namorada combinamos que ela iria ter o filho, mas eu seria pai solteiro, porque ela não queria criar um filho tão nova. Nosso bebê nasceu, ela mudou de estado e foi morar com os pais e eu fiquei com meu o menino.

Dois anos se passaram e estou me sentindo tão cansado e distante do mundo. Meu único amigo é meu filho, eu não consigo fazer mais nada além de trabalhar e cuidar da criança. Minha mãe mora longe, mas nos visita uma vez por mês e sempre que vem me deixa ter um tempinho só pra mim. Além disso, eu basicamente tenho o mesmo emprego de quando me formei e meu salário aumentou muito pouco, não consegui me destacar no trabalho para conseguir uma promoção por causa das minhas responsabilidades como pai. Não consigo namorar ninguém, porque não querem namorar um cara de 23 anos com filho.

Estou me sinto insatisfeito e sozinho e por causa disso eu acabei tratando meu filho com certa animosidade. Nunca quis que isso acontecesse. Sempre quis ser um ótimo pai que ama seu filho, mas eu não acho que posso ser essa pessoa. Eu tentei por dois anos, mas não deu. Você sempre ouve sobre aquele amor incondicional que os pais sentem por seus filho, mas isso nunca aconteceu comigo.

Então, será que eu devo colocar meu filho para adoção? Eu iria querer ter certeza que ele iria ficar com uma família amorosa e crescesse em um lar estável, como foi o meu. Por um lado, eu penso que estou sendo um idiota em considerar isso porque meu filho já está começando a se apegar a mim e minha mãe já se apegou muito a ele. Por outro lado, eu penso que estou agindo certo em dá-lo para a adoção porque eu sinto que posso acabar prejudicando a infância”, finalizou.

Ao pedir a opinião de outras pessoas, recebeu muitas críticas. “Isso que você contou acontece com todos os pais e mães solteiros e também com muitos que têm um companheiro. Você não é especial! Você quis ser pai então lide com isso e seja um bom pai!”, comentou um internauta. Outro disse que entende que ser pai solteiro não é fácil, mas que a criança não é um cachorro que ele pode devolver, porque a convivência não deu certo. “Se bem que não acho que isso deva ser feito nem com um cachorro… E seu filho não está ‘começando a se apegar a você’, ele já te ama! E te ama incondicionalmente! Você é o centro da vida dele, é tudo para ele! Se você o abandona assim, não importa o quão boa seja a outra família, isso vai afetá-lo”.