7 Perguntas Estranhas que podem te ajudar a encontrar Seu Propósito De Vida

Entendo que felicidade e propósito são coisas distintas e interligadas. Uma surge independente da outra, podemos ter momentos felizes mesmo não tendo um propósito de vida claro, porém se tivermos um propósito claro e estivermos alinhados com ele, nos preenchemos e a plenitude, felicidade nos encontram como resultantes desse processo.

Vale entender que o conceito de felicidade muda à medida que envelhecemos. Quando somos mais jovens, associamos a felicidade com a emoção – e à medida que envelhecemos, associamos a felicidade à paz.  Isso pode acontecer porque tendemos a mudar nosso foco do futuro para o presente à medida que envelhecemos.

No meu ponto de vista, entendo que Propósito de VIda ou Significado da minha Vida tem que trazer alguns aspectos:

Bem-estar físico e mental: significa não apenas cuidar bem do meu corpo; significa cuidar da mente. Isso pode ser alcançado, em parte, através de técnicas de redução do estresse e pensamento e expectativas positivas.

Pertencer e me reconhecer como alguém no mundo:  gosto de me sentir valorizada, de perceber que meu esforço vale a pena, que não é em vão.

Proximidade e conexão espiritual: Não acredito que estamos aqui a passeio, transito tranquilamente entre o budismo, indúismo e o espiritismo e tenho como meta, deixar esse plano de vida, quando morrer, muito mais muito melhor do que quando nasci.

Gandhi, Sidarta, Jesus, trazem ensinamentos que demandam um autoconhecimento extraordinário, e um controole mental incrível. Muito diferente das ovelhas que proferem palavras sem conseguir vivencia-las, minha visão é prática e totalmente aplicavel. Alerta todo o tempo nos meus desvios buscando sim a maestria de mim mesma.

Ainda estou em busca do que faz meu coração quase sair do peito de tanto entusiasmo, creio que encontrei o caminho nestes últimos dois anos, e venho trabalhando no meu processo de transição.

Assim como eu, a maioria de nós não tem idéia do que queremos fazer com nossas vidas. Mesmo depois de terminar a escola. Mesmo depois de conseguir um emprego. Mesmo depois de ganhar dinheiro.

É uma luta que quase todos os adultos passam. “O que eu quero fazer com a minha vida?” “Sobre o que eu sou apaixonado?”

Vejo que se conseguirmos entender que “propósito da vida” não precisa ser uma busca infinita pela nossa missão cósmica a vida fica mais fácil e leve.

Pensando em como “mapear” o que faz meu coração pulsar de verdade pensei nestas 7 perguntas:

1. O QUE É PARA VOCÊ UM SACRIFÍCIO TOLERÁVEL?

Tudo envolve sacrifício. Tudo inclui algum tipo de custo. Nada é prazeroso ou edificante o tempo todo. Então a questão se torna: que luta ou sacrifício você está disposto a tolerar? Em última análise, o que determina a nossa capacidade de ficar com algo de que nos preocupamos é a nossa capacidade de lidar com os momentos ásperos e enfrentar os inevitáveis ​​dias de podridão.

Se você quer ser um empreendedor de tecnologia brilhante, mas você não pode lidar com o fracasso, então você não vai chegar longe. Se você quer ser um artista profissional, mas não está disposto a ver o seu trabalho rejeitado centenas, senão milhares de vezes, então você está pronto antes de começar. Se você quer ser um advogado do tribunal, mas não aguenta as semanas de trabalho de 80 horas, então tenho notícias ruins para você.

Quais experiências desagradáveis ​​você consegue lidar?

2. O QUE É VERDADEIRO SOBRE VOCÊ HOJE QUE FARIA SUA CRIANÇA DE 8 ANOS CHORAR?

Todos nós tendemos a perder contato com o que amamos quando criança. As pressões sociais, por termos que escolher o que queremoms ser quando crescer, o” ter que”, que nos ensina que o único motivo para fazer algo é se somos de alguma forma recompensados ​​por isso.

E assim deixamos de lado o que dá prazer para perseguir o que mais recompensa para uma vida que nem sabemos qual é.

3. O QUE TE FAZ ESQUECER DE COMER E FAZER COCÔ?

Todos nós tivemos essa experiência já, a coisa estava tão interessante que quando percebemos esquecemos de comer, de ir ao banheiro..

Pense que pode ser algo como organizando coisas de forma eficiente, ou se perder em um mundo de fantasia, ou ensinar algo a alguém, ou resolver problemas técnicos.

Seja como for, não olhe apenas as atividades que o mantêm acordado a noite toda, mas veja os princípios cognitivos por trás das atividades que encorajam você. Porque eles podem ser facilmente aplicados em outro lugar.

4. COMO VOCÊ LIDA COM O QUE ACREDITA MAS QUE OS OUTROS CRITICAM?

Todos temos motivos para não fazermos algo que o coração pede, porém precisamos estar atentos quais são esses freios, por exemplo, podemos dizer que não podemos começar um negócio porque passar tempo com meus filhos é mais importante para mim”  porém se o que vem a sua cabeça é “Meus pais odiariam”, ou “Meus amigos tirariam sarro de mim”, ou “Se eu falhar eu seria umidiota”, então é provável que você esteja evitando algo que você realmente se importa.

As coisas boas são, pela sua própria natureza, únicas e não convencionais. Portanto, para alcançá-los, devemos ir contra a mentalidade do rebanho. E fazer isso é assustador.

Abrace o embaraço. Sentir-se tolo faz parte do caminho para alcançar algo importante, algo significativo.

5. O QUE VOCÊ FAZ PARA AJUDAR O MUNDO?

Que talento tem que poderia dedicar a ajudar o mundo ser melhor?

Escolha um problema e comece a trabalhar nele. Há muito para escolher. Nossos sistemas educacionais quebrados, desenvolvimento econômico, violência doméstica, cuidados de saúde mental, corrupção governamental. 

Encontre um problema que lhe interessa e comece a resolvê-lo. Obviamente, você não resolverá os problemas do mundo sozinho. Mas você pode contribuir e fazer a diferença. E esse sentimento de fazer a diferença é, em última análise, o que é mais importante para sua própria felicidade e satisfação.

6. PELO QUE VOCÊ TEM PAIXÃO?

O que a maioria das pessoas não entende é que a paixão é o resultado da ação, não a causa disso.

Descobrir pelo que você é apaixonado na vida e o que importa para você é um esporte de contato completo, um processo de tentativa e erro. Nenhum de nós sabe exatamente como nos sentimos sobre uma atividade até que realmente façamos a atividade.

Então, pergunte-se se alguém colocou uma arma na sua cabeça e forçou você a deixar sua casa todos os dias para tudo, exceto pelo sono, como você escolheria ocupar-se? E não, você não pode simplesmente ir sentar-se em uma cafeteria e navegar no Facebook. Você provavelmente já faz isso. Vamos fingir que não há sites inúteis, nem videogames, nem TV.

Você tem que estar fora da casa o dia todo, até o momento de ir para a cama – onde você iria e o que você faria?

Inscreveria-se para uma aula de dança? Participaria de um clube de livros? Iria buscar outro diploma? Inventaria uma nova forma de sistema de irrigação que possa salvar milhares de vidas infantis na África rural?

O que você faria com todo esse tempo?

Se for atraente, escreva algumas respostas e, então, você sabe, saia e realmente as faça. 

7. SE VOCE SOUBESSE QUE VAI MORRER DAQUI UM ANO, O QUE VOCÊ FARIA?

A maioria de nós não gosta de pensar sobre a morte.

Mas pensar sobre nossa própria morte surpreendentemente tem muitas vantagens práticas. Uma dessas vantagens é que isso nos obriga a zerar sobre o que é realmente importante em nossas vidas e o que é apenas frívolo e distorcido.

Qual será o seu legado? Quais são as histórias que as pessoas vão contar quando você for embora? O que o seu obituário vai dizer? Existe alguma coisa a dizer? Caso contrário, o que você gostaria de dizer? Como você pode começar a trabalhar para isso hoje?

Resumindo:

Quando as pessoas sentem que não têm senso de direção, sem propósito em suas vidas, é porque eles não sabem o que é importante para eles, eles não sabem quais são seus valores.

E quando você não sabe quais são seus valores, então você está essencialmente assumindo os valores de outras pessoas e vivendo as prioridades de outras pessoas em vez da sua. Este é um bilhete unidirecional para relacionamentos não saudáveis ​​e eventual miséria.

Descobrir o “propósito” de uma pessoa na vida se resume essencialmente a encontrar aquela uma ou duas coisas que são maiores do que você, que você faz muito bem, seu talento aplicado no mundo. 

Ali pode estar o seu propósito.

Autor do texto: Priscylla Mandato
Fonte em site: Terapia sem Mistério